7 Maneiras que os Gêmeos Digitais Afetarão sua Vida em 2028

7 Maneiras que os Gêmeos Digitais Afetarão sua Vida em 2028
gêmeo digital

Para aqueles que são novatos no conceito, um gêmeo digital é uma representação virtual de um produto, edifício ou pessoa física da vida real. Pode tomar a forma de uma cadeira, escrivaninha, luminária, casa ou até mesmo seu vizinho do lado. Qualquer item que exista no mundo físico pode ser replicado com um gêmeo digital.

Para qualquer pessoa que administre uma empresa, os gêmeos digitais oferecem informações exclusivas sobre como os produtos ou processos estão operando em tempo real, mesmo de um local remoto.

Sim, o conceito de gêmeos digitais já existe há algum tempo, com grupos de consultoria como a Gartner chamando-o de uma tendência de mudança de jogo, mas as empresas têm demorado a adotá-lo porque é bastante complicado de implementar.

Por exemplo, adicionar sensores suficientes para criar um gêmeo digital de um carro exigirá não apenas a replicação digital do formato do veículo, mas também os pneus, assentos, motor e até mesmo espelhos. Mas as coisas ficam muito mais complicadas sob o capô, onde o funcionamento interno do motor exigirá uma simulação em tempo real, incluindo cada centelha, explosão e movimento dentro do bloco de cilindros, pistões, virabrequins, válvulas e plugues, capturando todas as distorções. wobble, glide pattern, e até mesmo o menor pedaço de fricção acontecendo em tempo real.

No entanto, esse nível de complexidade não acontece instantaneamente. À medida que passamos de detalhes e precisão para micro-detalhes e microdirecionalidade, esses modelos 3D super elaborados nos permitirão visualizar como nossos produtos físicos estão se apresentando e mudando no momento. Se algo quebrar, podemos dizer instantaneamente o que deu errado. Mais importante, podemos começar a antecipar o fracasso e elaborar estratégias de manutenção preventiva para contornar os desastres antes que eles ocorram.

Aplicações a curto prazo

Sempre que eu abro o tópico de gêmeos digitais na conversa, eu costumo receber olhares vazios e olhares inquisitivos. Neste ponto, o conceito não é bem conhecido, mas nos próximos anos, ele se tornará parte de nossas vidas diárias.

Mesmo aqueles com algum entendimento têm dificuldade em entender o potencial do ROI (retorno sobre o investimento). Mas na próxima década, até mesmo o termo “gêmeo digital” provavelmente desaparecerá à medida que se torne tão comum quanto GPS, FaceTime e Spotify.

1. Centros de Comando de Casa Inteligente

Com a Internet das Coisas (IoT) entrando em nossas casas de maneiras novas e usuais, ter um centro de comando central se torna uma extensão lógica de nossa necessidade de monitorar e gerenciar nossos estilos de vida.

Sistemas de segurança, TV a cabo, Wi-Fi, energia solar, água, sprinklers e aquecimento e ar condicionado são normalmente componentes desconexos de uma casa moderna. Durante a próxima década, a maioria dos proprietários migrará para um centro de comando central que aumenta sua capacidade ao longo do tempo.

A tecnologia de gêmeos digitais se tornará um ingrediente essencial para as nossas casas à medida que elas se tornarem os organismos vivos inteligentes que são críticos para gerenciar as demandas do futuro.


Siemens demonstrando o gêmeo digital de um processo de fabricação.

2. Equipamento de Monitorização

Cada navio, avião, trator ou turbante em uma usina tem potencial para ser replicado digitalmente.

O maior problema com gêmeos digitais é que um tamanho não serve para todos. Em outras palavras, um novo gêmeo digital é necessário para cada produto produzido e o processo que os cria. Isso porque todos os produtos, independentemente da precisão, funcionam de maneira diferente. Isto é especialmente verdade se os seres humanos estiverem envolvidos na produção.

Uma vez que conseguimos produzir um emparelhamento virtual com o mundo físico, de repente temos a capacidade de analisar fluxos de dados e monitorar sistemas para que possamos evitar falhas antes que elas ocorram, impedir interrupções, descobrir novas oportunidades e até mesmo testar novas estratégias com modelos digitais rapidamente planejados.

3. Robótica Remota

O monitoramento de equipamentos em níveis crescentes de detalhes é apenas o primeiro passo para redefinir nosso novo escopo de recursos. Vamos passar rapidamente de “monitoramento” para “controle”. Com o passar do tempo, coisas como “platooning”, “remote assist”, “remote operation” e “emergency remote command” se tornarão frases comuns em nosso léxico diário.

Vamos começar usando um cenário da indústria de caminhões.

  • Pelotão – A primeira fase da robótica remota para caminhões envolverá o plantio em que os motoristas humanos controlam o veículo líder, seguido por 2-3 veículos escravos (sem motorista). Como o motorista ainda está no controle, não será necessário suporte adicional até que ele chegue ao local de entrega, onde tanto os operadores humanos adicionais podem assumir os controles quanto os motoristas remotos podem gerenciar os veículos para o posicionamento final do caminhão.
  • Assistência remota – Semelhante a ter um driver Uber remoto “olhando por cima do ombro” de um veículo sem motorista para garantir que ele opere sem problemas.
  • Operação remota – Os operadores reais podem estar trabalhando em uma fazenda-cubo no Arizona ou até mesmo em outro país, mas ter uma pessoa no controle é fundamental para determinadas situações. Pilotos e capitães fazem muito mais do que apenas dirigir seus veículos. Eles fornecem uma pessoa de contato para conversar, um senso de segurança, consciência situacional e o tipo de supervisão e responsabilidade que somente um ser humano pode oferecer.
  • Comando Remoto de Emergência – Como não existe uma máquina infalível, é provavel que haja falha. Quando isso acontecer, precisaremos de uma pessoa viva para gerenciar o problema. A solução pode ser tão simples quanto uma reinicialização do sistema, mas em casos extremos, as pessoas de resgate de emergência precisarão estar envolvidas, e ter uma pessoa de contato central para coordenar a resposta é fundamental.

4. Gerenciando uma cidade inteligente

Em breve, as cidades terão suas próprias frotas de drones, com capacidade de escaneamento, para criar modelos digitais de suas comunidades. À medida que os scanners, sensores e resoluções melhoram, as cidades começarão a criar gêmeos digitais cada vez mais funcionais de suas ruas, vizinhanças e centros de atividades.

Ter milhares de drones enxameando a maioria das áreas metropolitanas diariamente pode parecer aborrecido a princípio, mas a combinação de novos negócios, empregos, informações, análise de dados, novas carreiras e fluxos de receita rapidamente transformará a maioria dos críticos em fortes defensores da indústria.

Mas para as cidades, os gêmeos digitais serão muito mais profundos do que o que é visto de cima. Isso significará gêmeos digitais de cada linha de energia, subestação, sistema de esgoto, linha de água, sistema de serviços de emergência, rede Wi-Fi, rodovia, sistema de segurança, rede de controle de tráfego e muito mais. Feito corretamente, cada problema estará a apenas dois cliques de distância do centro digital de controle.

Em pouco tempo, os gêmeos digitais das cidades tornar-se-ão tesouros de dados, à medida que a entrada e saída diárias de pessoas, trânsito e clima se tornarem melhor compreendidos. Essa forma de modelagem digital também dará origem a mecanismos de busca para o mundo físico.

5. Motores de Busca para o Mundo Físico

A tecnologia de pesquisa on-line moldou muito do nosso pensamento em torno de nossa capacidade de encontrar coisas. Em geral, se não for digital e online, não é localizável.

No futuro, os drones e sensores substituirão muito do trabalho dos rastreadores da Web de hoje, quando se trata de definir nosso universo pesquisável.

A tecnologia de pesquisa se tornará muito mais sofisticada no futuro. Em breve, poderemos pesquisar atributos como cheiros, sabores, vibração harmônica, texturas, gravidade específica, níveis de refletividade e pressões barométricas.

Com o tempo, os mecanismos de pesquisa terão a capacidade de encontrar virtualmente qualquer coisa no mundo digital ou físico.

6. Monitorar e melhorar nossa saúde e desempenho físico

Quanto tempo antes que possamos ver um gêmeo digital totalmente funcional do nosso corpo?

Já temos várias ferramentas que podem criar um mapa digital do nosso corpo, tanto externo quanto interno, como scanners a laser 3D, radiografia, ecografia, ressonância magnética e muito mais. Também temos um número crescente de wearables, juntamente com sensores de contato e embutidos que podem rastrear o que está acontecendo.

Neste contexto, estou imaginando uma imagem digital completa de nós mesmos que pode ser girada ao redor, ampliada para close-ups, observando o sangue fluindo através de veias e artérias, flexionando os músculos, bombeando o coração, comida e água passando por nosso sistema digestivo. sistema com níveis crescentes de detalhes para cada glândula, folículo, tecido adiposo, órgão e botão gustativo.

Quando finalmente desenvolvermos exposições holográficas, nossa capacidade de obter perspectivas relacionais, assim como relações de causa e efeito, só aumentará.

7. Monitore e melhore nosso desempenho cerebral e mental

O cérebro humano ainda é uma das maravilhas mais complexas do universo, e a criação de um gêmeo digital exigirá supercomputadores da próxima geração e uma incrível colaboração entre pesquisadores do cérebro e engenheiros de computação.

Para este fim, a Hewlett Packard está trabalhando com a escola suíça Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne para lançar o Blue Brain Project com o objetivo de construir um modelo digital do cérebro dos mamíferos. Seu objetivo é desenvolver um modelo cerebral que sirva de base para um número ilimitado de simulações e experimentos.

Experimentos como esse não apenas exigirão enormes quantidades de poder computacional, mas também uma enorme variedade de abordagens computacionais para simular as técnicas exclusivas do cérebro para organizar e interagir com suas memórias conscientes e inconscientes, bem como responsabilidades funcionais pelo gerenciamento do resto do corpo.

Tenha certeza, a criação de um “cérebro espelho” como este ainda está no domínio da ficção científica, no entanto, está no campo das possibilidades da próxima década.


De acordo com a Siemens , simulações de gêmeos digitais podem ajudar a determinar o processo de fabricação.

Pensamentos finais

Para colocar as coisas em perspectiva, os carros que dirigimos hoje estão em desenvolvimento há mais de 120 anos. Levou tanto tempo para chegar aos carros que temos disponiveis. Com a nossa tecnologia emergente, ainda temos que trabalhar bastante até chegarmos às coisas boas.

Ao mesmo tempo, estamos construindo uma infraestrutura digital que está em camadas sobre tudo o que é físico no mundo. Esta é outra forma de pensamento digital duplo e, eventualmente, os dois se alinharão.

Acelerando isso, até 2022, 85% de todas as plataformas de IoT incluirão algum tipo de monitoramento digital duplo, e algumas cidades irão liderar a demonstração do valor de utilidade da tecnologia de cidade inteligente digital dupla.

Enquanto observava os engenheiros da Siemens em Princeton demonstrarem diferentes tipos de tecnologia de gêmeos digitais, tornou-se muito claro para mim que qualquer empresa que estivesse atrasada nessa tecnologia logo se veria do lado de fora olhando para dentro.

Fonte: Futurist Speaker

350 visualizações, 3 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu