CEOs Ganham 287 Vezes Mais Que Seus Funcionários

CEOs Ganham 287 Vezes Mais Que Seus Funcionários
Diferença de Rendas: Retratos da Hard Economy. Imagem Pixaby rodrigoandrade3880

Recortes de uma Hard Economy: A Lucratividade sem Prosperidade que vem de Capital Improdutivo.

Barack Obama compartilhou um post com o link de uma matéria da Vox cujo o titulo é:

“A Relação dos Sálarios entre CEOs e seus Funcionários Medianos”

2019 marca o primeiro ano em que quase todas as empresas do S&P500 divulgaram a relação de pagamento entre seu CEO e o funcionário mediano.

Segundo Obama, essa divulgação importante não foi fácil. Grandes corporações e grupos industriais fizeram um grande esforço para esconder essa informação valiosa dos acionistas e do público em geral.

Em 2018 os CEOs fizeram em média 287 vezes mais dinheiro do que seus trabalhadores…

O CEO que se destaca em 1º lugar é o Elon Musk com um salário 40 mil vezes maior que a média salarial de seus funcionários. Elon Musk faturou US$ 2,3 bilhões (aproximadamente R$ 9,2 bilhões) no último ano, a maioria em ações da Tesla.

A diferença é tão grande que foi necessário somar valores de outros executivos para chegar à marca de Musk. Ao todo, juntando os 65 CEOs mais bem pagos de 2018, o resultado foi de US$ 2,3 bilhões, um valor ainda inferior ao do CEO da Tesla.

A Tesla fez um comunicado sobre os pagamentos, afirmando que o valor real é de US$ 0, já que Musk não recebe salário ou bônus com o passar do tempo.

De acordo com a empresa, o único recebimento do CEO é uma premiação de alto risco baseada na performance da companhia, com base em ambiciosas metas, como dobrar a capitalização da Tesla de US$ 40 bilhões para US$ 100 bilhões.

Parafraseando o próprio Obama: “Sempre acreditei que o Mundo funciona melhor quando todos podem compartilhar a prosperidade, e esses dados são um importante lembrete do trabalho que ainda temos que fazer para resolver nossa crescente diferença de renda.”

Retratos de uma Economia Durissima…

Abaixo segue máteria da Vox na integra:

Depois de anos de chutes e gritos, os executivos da empresa finalmente divulgaram dados sobre o que seu CEO faz em relação ao trabalhador mediano.

Não é novidade que a lacuna é obscena. O executivo-chefe médio de uma empresa do S & P 500 ganhou 287 vezes mais do que seu empregado mediano no ano passado, de acordo com uma análise dos novos dados federais divulgados na terça-feira pela federação de trabalhadores da AFL-CIO. Os CEOs dos Estados Unidos faturaram US $ 14,5 milhões em 2018, em média, em comparação com a média de US $ 39.888 que os trabalhadores de base fizeram. E os CEOs obtiveram um aumento de US $ 500.000 em comparação com o ano anterior, enquanto o trabalhador médio americano mal conseguiu mais de US $ 1.000.

Este é o primeiro ano em que todas as empresas públicas foram obrigadas a divulgar índices de pagamento de CEO para trabalhadores nos arquivos da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA. Antes, as empresas precisavam apenas informar a remuneração de seus principais executivos.

As novas divulgações – amplamente contestadas pelas empresas americanas – fazem parte da Lei de Reforma e Proteção ao Consumidor de Dodd-Frank Wall Street, de 2010. O objetivo é fornecer aos acionistas mais informações para julgar o comportamento corporativo – e envergonhar os executivos pelo pagamento excessivo.

Os executivos-chefes das maiores empresas da América não são pagos da mesma forma que o trabalhador médio. Além de um salário fixo, os pacotes de remuneração dos CEOs incluem outras formas de receita, como bônus, opções de ações da empresa e pagamentos de incentivo de longo prazo, que podem variar com base no desempenho e no status do mercado de ações.

As empresas que dependem de trabalhadores de baixa remuneração e de meio período estavam entre as que tinham maiores disparidades salariais. Tesla teve o mais chocante: Elon Musk fez 40.668 vezes mais dinheiro do que o funcionário mediano da Tesla. Entre as maiores empresas dos EUA, a marca de roupas Gap tinha a maior disparidade. O CEO Arthur Peck fez 3.566 vezes mais do que o empregado médio da empresa, que fez apenas 5.800 dólares. O McDonald’s, a Foot Locker e a Estee Lauder também relataram lacunas salariais assustadoras.

Aqui estão as dez maiores empresas do S & P 500 com as maiores taxas de pagamento:

A análise da AFL-CIO também listou os CEOs que ganharam mais dinheiro no ano passado. O CEO da Discovery, David Zaslav, estava no topo, ganhando cerca de US $ 130 milhões. O CEO da Disney, Bob Iger, também estava lá, com um pagamento de US $ 66 milhões. Assim foi James Murdoch, CEO da 20th Century Fox. Aqui estão o resto:

Esses índices salariais ilustram uma falha fundamental da economia dos EUA – que provocou um número recorde de greves trabalhistas no ano passado: os ricos estão ficando muito mais ricos nas últimas décadas, às custas de todos os demais.

Nos últimos 10 anos, os executivos-chefes das empresas do S & P 500 viram seus salários crescerem em cerca de US $ 5 milhões, enquanto os trabalhadores de base conseguiram cerca de US $ 7.858 – pouco o suficiente para acompanhar a inflação.

Liz Shuler, secretária tesoureira da AFL-CIO, aponta que os salários estagnados explicam por que o trabalhador médio americano não pode pagar por um apartamento de dois quartos em 15 das maiores cidades do país. “Algo está claramente quebrado”, disse Shuler em uma chamada terça-feira com repórteres.

Fontes: The New York Times, Tecmundo e Vox

Comentários Via Facebook
compartilhe

Ligia Zotini Mazurkiewicz

Tem o dom de fazer pontes entre teoria e prática, apaixonada desde muito cedo por tecnologia e como ela irá levar a sociedade para um patamar mais humano, para isso ela hackeia burocracia de sistemas antigos onde quer que esteja. Viajante nas horas vagas gosta de explorar cada canto & encanto deste mundo.
Fechar Menu