Como Desenvolver a Próxima Geração de Mulheres na Liderança Digital

Como Desenvolver a Próxima Geração de Mulheres na Liderança Digital

Os líderes digitais precisam de uma combinação de tecnologia, pessoas e habilidades empreendedoras. Para nutrir essas habilidades em mais mulheres jovens, precisamos enfrentar três desafios

Do jeito que está, a atual realidade das mulheres líderes digitais e empreendedoras de tecnologia pode ser desanimadora. Apesar de uma demanda saudável por talentos digitais, a  falta de diversidade  na tecnologia continua sendo difundida. Um  artigo recente do BCG  destaca que as mulheres constituem apenas 25% da força de trabalho STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática), com apenas nove por cento ocupando posições de liderança. E em uma  pesquisa recente , os empresários acreditam que levará 10 ou mais anos para a indústria de tecnologia refletir a população em geral, em termos de gênero.

Para muitos, a liderança digital é sinônimo de conhecimento tecnológico. No entanto, a  pesquisa sobre liderança na era digital  pelo Global Center for Business Transformation da IMD revela um conjunto muito mais amplo e rico de características, incluindo humildade, adaptabilidade, visão e engajamento constante. Como podemos ajudar as mulheres jovens a desenvolver as habilidades difíceis, flexíveis e empreendedoras necessárias para se tornarem líderes digitais futuros?

A resposta, acreditamos, está na superação de três barreiras.

1. Manter as garotas ativas e confiantes em  assuntos relacionados a STEM

A pesquisa  sugere que as meninas estão mais interessadas em carreiras STEM no ensino médio, mas esse número cai drasticamente entre o ensino funtamental e o ensino médio. Um  estudo de 2015 da OCDE  examinou como a falta de autoconfiança das meninas em suas próprias habilidades em ciências e matemática pode explicar por que elas estão sub-representadas nos campos STEM no ensino médio. Outros estudos apontam para o fato de que, embora as meninas pontuassem tão bem quanto os meninos nas disciplinas de STEM, muitas vezes elas tiveram uma pontuação ainda melhor na leitura. Assim, quando eles se movem para abandonar os sujeitos nos últimos anos do ensino médio, eles costumam classificar a compreensão de leitura como sua força. O que esses resultados sugerem é que os primeiros anos do ensino médio são um importante ponto de intervenção para manter o interesse das meninas em STEM.

Uma maneira de fazer isso é introduzir a orientação a partir dos primeiros anos da adolescência. O trabalho também precisa continuar em aspectos como assegurar condições de trabalho adequadas nos campos STEM para mulheres que planejam uma família em seu futuro. Os países nórdicos podem fornecer um modelo para ser emulado aqui.

2. Desenvolver competências empresariais e de empreendedorismo

A segunda barreira são as competências empresariais e empresariais subdesenvolvidas. Tornar-se um líder digital não é apenas fornecer habilidades de codificação e marketing digital, mas também usar essas habilidades para criar e capturar oportunidades de negócios.

Como superar essas barreiras? A inspiração pode vir de lugares surpreendentes.

PrograMaria

a PrograMaria é uma ONG que oferece capacitação em programação para mulheres. Nossos objetivos são:

  • Contribuir para que mais meninas e mulheres sintam-se motivadas e confiantes a explorar os campos da tecnologia, da programação e do empreendedorismo;
  • Incentivar o debate sobre a falta de mulheres nesses campos;
  • Promover oportunidades e ferramentas para que elas deem os primeiros passos na aprendizagem da programação.

Mais do que ajudar a aprender as ferramentas necessárias, a PrograMaria quer empoderar meninas e mulheres, mostrando que elas são capazes de realizar suas próprias ideias.

Saiba mais em Programaria.Org

Computação Sem Caô

O Computação sem Caô é um projeto que busca ampliar e democratizar o entendimento da ciência da computação no Brasil. Como funcionam as tecnologias que usamos no dia a dia? O que faz um cientista da computação? O que são algoritmos? O que é o pensamento computacional? Quais as as grandes questões científicas da área hoje? E as implicações éticas do uso de tecnologias? São algumas das questões que o projeto explora/aborda em vídeos curtos, de linguagem jovem.

O projeto está no YouTube e no Instagram. O Computação sem Caô é realizado pelo Olabi e apresentado por Ana Carolina da Hora, cientista da computação em formação pela PUC-RJ e moradora da baixada fluminense.

3. Financiamento de empreendedores de tecnologia feminina

O terceiro desafio é como conseguir capital para mulheres empresárias de tecnologia. Se o objetivo é ver novas empresas de tecnologia de ponta lideradas por mulheres, pode não ser suficiente simplesmente incentivar as mulheres a se tornarem líderes digitais. Em 2018, pelo segundo ano consecutivo, apenas 2,2% dos  fundos para investidores foram para startups lideradas por mulheres . 

O desafio está longe de se resolvido. Como Melinda Gates colocou: “Gostamos de pensar que o capital de risco é impulsionado pelo poder das boas ideias. Mas pelos números, são os homens que têm as chaves ”.

Felizmente, novas pesquisas mostram que pode haver luz no fim do túnel – pelo menos para investimentos nos primeiros estágios. Pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica e da Universidade de Stanford enviaram recentemente mais de 80 mil e-mails sobre empresas promissoras, mas fictícias, para 28 mil investidores anjos, e descobriram que arremessos de empreendedores com nomes obviamente femininos receberam uma taxa 8% maior de respostas interessadas do  que aquelas com nomes masculinos .

“O mundo está sendo reescrito em algoritmos e códigos, e precisamos ter meninas e mulheres com essas habilidades para criar esse futuro”, diz a CEO da Girl Scout, Sylvia Acevedo. Proporcionar às meninas as habilidades necessárias para dominar a tecnologia é uma necessidade social, moral e econômica.

Fonte: enterprisersproject.com

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu