Como será a Alimentação do Futuro?

Como será a Alimentação do Futuro?

Do ponto de vista dos primeiros princípios, a tarefa de alimentar 8 bilhões de pessoas se resume em converter energia do sol em energia química em nossos corpos.

Tradicionalmente, a energia solar é convertida pela fotossíntese em carboidratos nas plantas (isto é, biomassa), muito utilizado pelos “veganos”.

Hoje, o processo de alimentar a humanidade é extremamente ineficiente .

Se pudéssemos reinventar radicalmente o que comemos e como criamos esse alimento, como você imagina que seria “futuro dos alimentos”?

Neste blog, abordaremos:

  1. Fazendas verticais
  2. Alimentos preparados por CRISPR
  3. A revolução da proteína alternativa
  4. Farmer 3.0

Vamos mergulhar.

Agricultura Vertical

Onde cresce nossa comida …

A refeição americana em  média viaja mais de 1.500 milhas da fazenda à mesa. Vinho da França, carne do Texas, batatas de Idaho, etc. Como resultado, quase metade do custo das refeições de hoje é o custo da viagem.

Imagine, em vez disso, cultivar toda a sua comida, em uma fazenda vertical de 50 andares no centro da cidade de Los Angeles, ou na costa dos Grandes Lagos, onde a distância percorrida não é mais de 1.500 milhas.

A agricultura alienada irá minimizar os custos de viagem ao mesmo tempo que maximiza alimentos mais frescos.

Talvez mais importante, a agricultura vertical também permite ao agricultor de amanhã a capacidade de controlar as condições exatas de suas plantas. Em vez de permitir que os caprichos do clima e das condições do solo determinem a qualidade e o rendimento das colheitas, agora podemos controlar perfeitamente o ciclo de crescimento.

A iluminação LED fornece às culturas a quantidade máxima de luz, na frequência perfeita, 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ao mesmo tempo, sensores e robôs fornecem ao sistema radicular o pH exato e os micronutrientes necessários, enquanto ajusta a temperatura da fazenda.

Tal agricultura de precisão pode gerar rendimentos que são de 200% a 400% acima do normal.

Em seguida, vamos explorar como podemos projetar com precisão as propriedades genéticas da própria planta.

Alimentos CRISPR & Genetically Engineered

Que comida nós cultivamos?

Uma mudança fundamental está ocorrendo em nossa relação com a agricultura. Estamos indo da evolução pela seleção natural (darwinismo) para a evolução pela direção humana.

CRISPR ( a ferramenta de edição de genes de ponta ) está fornecendo um caminho para o melhoramento de plantas que é mais previsível, mais rápido e mais barato do que os métodos tradicionais de reprodução.

“Em vez de nossas lavouras estarem sujeitas ao capricho ambiental e aleatório da natureza; a CRISPR libera nossa capacidade de modificar nossas lavouras para se adequar ao ambiente disponível.”

Além disso, usando CRISPR, poderemos otimizar a densidade de nutrientes de nossas culturas, aumentando seu valor e volume.

O CRISPR também pode ser a chave para eliminar alérgenos comuns das plantações. À medida que identificamos o gene alergênico no amendoim, por exemplo, podemos usar o CRISPR para silenciar esse gene, tornando as lavouras mais seguras e mais acessíveis a uma população em rápido crescimento.

Ainda outra aplicação é a nossa capacidade de tornar as plantas resistentes à infecção, seca ou ao frio.

Ajudando a acelerar o impacto do CRISPR, o USDA anunciou recentemente que as culturas geneticamente modificadas não serão regulamentadas – proporcionando uma abertura para os empresários capitalizarem as oportunidades de otimização que o CRISPR permite.

As aplicações CRISPR na agricultura são uma oportunidade para ajudar um bilhão de pessoas.

Protegendo as culturas contra os ambientes voláteis, combatendo doenças nas plantações e aumentando os valores dos nutrientes, CRISPR é uma ferramenta promissora para ajudar a alimentar a crescente população mundial.

A Revolução da Carne com Alt-Proteínas / Lab Grown

No total, 33% da massa terrestre não-gelada da Terra é usada para criar gado. Uma enorme quantidade de terra! E a demanda global por carne deve dobrar na próxima década.

Hoje, devemos cultivar uma vaca inteira – todos os ossos, pele e partes internas incluídas – para produzir um bife. Imagine, em vez disso, se pudéssemos começar com uma única célula-tronco muscular e cultivar apenas o bife, sem precisar do resto da vaca? Pense nisso como agricultura celular.

Imagine devolver milhões, talvez bilhões de acres de terra de pasto de volta ao deserto? Esta é a promessa do Lab Grown Meets. A carne cultivada em laboratório também pode ser projetada (usando tecnologia como CRISPR) para ser embalada com nutrientes, e ser a proteína mais saudável e deliciosa possível.

Estamos vendo essa tecnologia se desenvolver em tempo real. Várias startups em todo o mundo já estão trabalhando para trazer carnes artificiais para a indústria de alimentos.

JUST, Inc. (anteriormente Hampton Creek), dirigida por meu amigo Josh Tetrick, está na missão deconstruir um sistema alimentar onde todos possam comprar alimentos nutritivos e deliciosos. Eles começaram explorando mais de 300.000 espécies de plantas em todo o mundo para ver como eles podem melhorar os alimentos. Agora estão com alto investimento em carnes cultivadas com células-tronco.

Apoiado por Richard Branson e Bill Gates, Memphis Meats está trabalhando em maneiras de produzir carne real a partir de células animais, ao invés de animais inteiros. Até agora, eles produziram carne, frango e pato usando células cultivadas de animais vivos.

Tal como no caso da agricultura vertical, a transição da produção da nossa maioria de proteínas para um ambiente cuidadosamente cultivado permite à agricultura otimizar os insumos (água, solo, energia, pegada de terra), nutrientes e, principalmente, sabor.

Farmer 3.0

A agricultura vertical e a agricultura celular estão reinventando a forma como pensamos nossa cadeia de fornecimento de alimentos; e que tipo de alimentos produzimos.

A próxima pergunta a responder é quem produzirá a comida?

Vamos analisar como a agricultura evoluiu ao longo da história.

Agricultores 0.0 (Por volta de 9000 aC, Revolução Neolítica): A transição de caçador-coletor para agricultura ganha impulso, e o homem cultivou a capacidade de domesticar plantas para a produção de alimentos.

Fazendeiros 1.0 (até o século 19). Os agricultores passavam o dia todo no campo realizando trabalhos árduos e a agricultura representava 82% dos empregos nos EUA.

Agricultores 2.0 (meados do século XX, Revolução Verde). Desde a invenção do primeiro trator agrícola em 1812 até hoje, as tecnologias bioquímicas mecânicas transformadoras (fertilizantes) aumentaram a produtividade e facilitaram o trabalho na agricultura, reduzindo a taxa de emprego agrícola dos EUA para menos de 2 por cento hoje.

Agricultores 3.0. Em um futuro próximo, os agricultores irão alavancar tecnologias exponenciais (por exemplo, AI, redes, sensores, robótica, drones); CRISPR e engenharia genética e novos modelos de negócios para resolver os maiores desafios alimentares do mundo.

Um importante impulsionador da evolução do Farmer 3.0 é a deslocalização da agricultura impulsionada pelas fazendas verticais e urbanas. 

Fazendas verticais e agricultura urbana estão capacitando uma nova geração de empresários agrícolas.

Vamos dar uma olhada em uma incubadora inovadora em Brooklyn, Nova York, chamada Square Roots.

Dez fazendas-em-um-contêiner em um estacionamento do Brooklyn representam o primeiro campus da Square Roots. Cada contêiner contém um equivalente a 2 acres de produção e pode render mais de 50 libras de produto por semana.

A incubadora de agricultura urbana levantou uma rodada de financiamento de US $ 5,4 milhões em agosto de 2017.

Treinar novas gerações de empreendedores para aplicar tecnologia exponencial ao cultivo de alimentos é essencial para o futuro da agricultura.

Um dos nossos MTP’s no Abundance Group é capacitar empreendedores para gerar riqueza extraordinária enquanto criam um mundo de abundância. Fazendas verticais e agricultura celular são elementos-chave que permitem a próxima geração de empreendedores de alimentos e agricultura.

Conclusão

A tecnologia está impulsionando a abundância de alimentos. Já estamos vendo a comida se tornar desmonetizada, como mostra o gráfico abaixo. De 1960 a 2014, a porcentagem de renda gasta com alimentos nos EUA caiu de 19% para menos de 10% da renda total disponível. Uma queda dramática em relação aos 40% da renda familiar gastos em alimentos em 1900.

(O gráfico mostra a queda do percentual de renda disponível per capita gasta com alimentos. Fonte: USDA, Serviço de Pesquisa Econômica, Série Expenditure Food)

Em última análise, a tecnologia permitiu uma enorme variedade de alimentos, a um custo significativamente reduzido e com menos recursos. Cada vez mais, vamos otimizar e fortalecer a cadeia de suprimento de alimentos para obter maneiras mais confiáveis, previsíveis e nutritivas de obter subsistência básica.

E isso significa um mundo com comida abundante, nutritiva e barata para todos os homens, mulheres e crianças.

Que hora extraordinária para estar vivo.

By Peter Diamandis

468 visualizações, 1 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu