Drones Salvam Vidas em Ruanda

Drones Salvam Vidas em Ruanda

Em 2014, Keller Rinaudo conheceu um estudante de pós-graduação no Instituto de Saúde Ifakara, na Tanzânia. O estudante construiu um sistema de alerta móvel para os profissionais de saúde para enviar mensagens de emergência para medicamentos e vacinas. Os trabalhadores da saúde fizeram milhares de pedidos de emergência, mas que nunca foram atendidos. Infelizmente, não havia como o governo atender a esses pedidos.

“Percebi então que eu estava olhando para um banco de dados de morte com milhares de nomes, endereços, idades, números de telefone”, diz Rinaudo.

Tendo fundado a startup de drones Zipline, baseada no Vale do Silício, Rinaudo descobriu sua missão. “A poderiamos construir a outra metade desse sistema e salvar a maioria dessas pessoas”, diz ele.

Mais conhecidos por seu uso na guerra ou por zumbir em áreas urbanas, tirar fotografias, veículos aéreos não tripulados os drones geralmente são rigorosamente regulados. A pequena nação africana de Ruanda, no entanto, adotou uma atitude mais positiva em relação à sua aplicação.

O presidente do país, Paul Kagame, é temido e homenageado em quantidades iguais, acusado de cooptar o sistema democrático de Ruanda, mas também elogiado por presidir um regime que colocou a tecnologia no centro do desenvolvimento do país.

Ruanda tem 3.000 milhas de estrada, mas apenas 25% é pavimentada. Isso dificulta o transporte e os hospitais lutam para conseguir sangue e vacinas em situações de emergência. Foi em conversas com o Rinaudo em 2015 que o governo sugeriu que o Zipline tentasse resolver o problema.

O espaço aéreo ruandês foi aberto à empresa e a Zipline iniciou seu serviço de entrega em outubro de 2016. Clínicas remotas agora podem fazer pedidos de sangue para salvar vidas via mensagem de texto, com drones enviados de centros de atendimento espalhados pelo país para entregá-lo. Desde o seu lançamento, os drones da Zipline possuem mais de 300.000 milhas em mais de 10.000 vôos, entregando milhares de unidades de sangue.

Um funcionário da Zipline prepara um drone de entrega.

Um funcionário da Zipline prepara um drone de entrega. Kristin Palitza – aliança de imagens via Getty Images

Timothy Reuter, chefe do programa de drones civis no Fórum Econômico Mundial, diz que o impacto é significativo. “A entrega de drones pode ajudar a evitar rupturas de estoque de itens médicos críticos e eliminar o desperdício da expiração, fornecendo entrega just-in-time a partir de um local central”, diz ele. “Em termos práticos, isso pode significar a diferença entre uma mãe sangrando até a morte durante o parto ou recebendo a transfusão que ela precisa.”

Este é apenas o começo para a Zipline, e Ruanda é apenas o seu primeiro mercado. Em abril, a empresa revelou o que afirma ser o drone de entrega mais rápida do mundo. O drone de próxima geração pode atingir uma velocidade máxima de 80 milhas por hora com um alcance de ida e volta de 100 milhas, transportando até 1,75 kg de carga (um pacote de sangue pesa tipicamente 0,5 kg).

Rinaudo diz que a Zipline diminuiu a quantidade de tempo entre o recebimento de um pedido e o lançamento de um vôo de 10 minutos para um, e aumentou o número de vôos de entrega diários para 500. O aumento do raio de cada centro significa que a empresa pode agora servir populações de até 10 milhões de pessoas.

Em 2017, a Zipline fez a vizinha Tanzânia, quase 40 vezes o tamanho de Ruanda e com quase 70% de seu povo vivendo em áreas rurais, seu segundo mercado, e recebeu o apoio de empresas de capital de risco – garantindo mais de US $ 40 milhões em financiamento. Ele também está pronto para voltar para casa nos EUA.

Reuter diz que o impacto que a empresa teve em Ruanda é excepcional, mas seu valor vai além disso. “A Zipline está desempenhando um papel importante não apenas nos mercados que atualmente opera, mas também em demonstrar aos países ao redor do mundo que a entrega de drones pode ser uma realidade hoje e fornecer um serviço socialmente impactante”, diz ele.

“À medida que a tecnologia de drone evolui de carregar itens pequenos e leves para uma capacidade de elevação mais pesada e diminui o custo, esperamos ver a entrega de drones usada para uma maior variedade de atividades comerciais”, diz Reuter. “No contexto africano, isso poderia incluir o transporte de produtos agrícolas que são frequentemente danificados durante longas jornadas em caminhões”.

Embora esses casos de uso comercial sejam claros e as oportunidades sejam consideráveis, Rinaudo está mais focado no trabalho na área da saúde. “Bilhões de pessoas em todo o mundo não têm acesso a cuidados de saúde adequados. Este não é um problema africano; é um problema global ”, diz ele. “A diferença é que os países africanos estão liderando o caminho no desenvolvimento de soluções de ponta”.

Fonte: Fortune

261 visualizações, 3 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu