Gênio de 19 Anos Codifica no primeiro laboratório de IA da Etiópia

Gênio de 19 Anos Codifica no primeiro laboratório de IA da Etiópia

Aos 19 anos de idade, Betelhem Dessie é talvez a pioneira mais jovem na cena tecnológica emergente da Etiópia, às vezes chamada de “Sheba Valley”. Dessie está coordenando vários programas de âmbito nacional executados pelo laboratório de robótica iCog, o laboratório de inteligência artificial (IA) baseado em Addis Ababa, que esteve envolvido no desenvolvimento do mundialmente famoso Sophia, o robô.

Ela tem quatro programas de software com direitos autorais exclusivos em seu nome – incluindo um aplicativo desenvolvido para o governo da Etiópia para mapear rios usados ​​para irrigação. E tudo começou quando ela tinha apenas 9 anos. Ela lembra: “No meu nono aniversário, queria comemorar, por isso pedi dinheiro ao meu pai”. Quando o pai dela disse que ele não tinha nada para dar naquele dia, Dessie tomou o assunto em suas próprias mãos. Fazendo uso dos materiais ao seu redor – seu pai vendia eletrônicos em sua cidade natal de Harar, no leste da Etiópia – Dessie começou com pequenas tarefas como edição de vídeo e envio de música para os telefones celulares dos clientes.”Eu ganhei cerca de 90 dólares – então eu comemorei meu aniversário”, ela ri, sentada em uma das salas de robótica e codificação do iCog, o primeiro laboratório de IA da Etiópia.

A iCog foi lançada em 2013 e a indústria de tecnologia da Etiópia deverá decolar ainda mais este ano, após a liberalização da economia do país sob o novo primeiro-ministro Abiy Ahmed .Abiy, que assumiu o cargo em abril, já privatizou várias empresas estatais, incluindo a fornecedora de telecomunicações Ethio Telecom. É uma tentativa de preparar o caminho para um melhor acesso à internet. O país está passando por grandes mudanças após um blecaute de internet sancionado pelo governo que ocorreu antes da tomada de posse de Abiy.

Um programa que Dessie conduz no iCog é o “Solve IT”, que trabalha com jovens para encontrar soluções tecnológicas para problemas baseados na comunidade. Dessie percorre o país trabalhando com alunos (alguns até cinco anos mais velho que ela) para inspirar a próxima geração de inovadores e empreendedores. Ser mais jovem, diz ela, significa que ela e outros professores estão “mais em contato com a tecnologia que os alunos estão vivenciando”. Da mesma forma, as mulheres que ensinam as mulheres podem ser impactantes, acrescenta ela, tendo tido as mesmas experiências vividas.

Betelhem Dessie carrega um protótipo do robô Sophia no iCog Labs.  Imagem: Thomas Lewton.
Betelhem Dessie carrega um protótipo do robô Sophia no iCog Labs. Imagem: Thomas Lewton.

As meninas são uma minoria entre os alunos que frequentam o “Solve IT”, “Os garotos imaginam mais, querem fazer algo que é grande e inspirado, as garotas que eles realmente querem ajudar a comunidade a partir do núcleo”, explica ela. Em vez de foguetes espaciais e robôs, as soluções apresentadas pelas meninas que ela ensina tendem a ser fundamentadas e imediatas – como um aplicativo de SMS que informa os agricultores sobre as condições climáticas locais. A paixão de Dessie pela tecnologia foi, na maior parte, apoiada no crescimento relativamente liberal de Harar, mas sua experiência não é a norma na Etiópia.

Ensinando os fundamentos da IA

Em 2013, as mulheres representavam um quarto dos estudantes matriculados em estudos de ciência e tecnologia na universidade; enquanto apenas oito por cento dos pesquisadores científicos são mulheres. “A menos que você realmente esteja na indústria, não há ninguém para se inventar na tecnologia”, diz Dessie, apontando para essa falta de modelos femininos.

& quot; Solve TI & quot;  os estudantes testam seu trator AI na Universidade de Mekele, no norte da Etiópia.  Imagem: Thomas Lewton.
Os alunos da “Solve IT” testam seu trator AI na Universidade Mekele, no extremo norte da Etiópia. Imagem: Thomas Lewton.

“Anyone Can Code”, é outro projeto de Dessie que ensina aos jovens africanos os fundamentos da inteligência artificial, robótica, blockchain e outras tecnologias emergentes.

Atualmente  ela está procurando financiamento para um projeto chamado “The Sophia School Bus”.”O ônibus vai pela Etiópia, equipado com laptops e outros materiais eletrônicos, como impressoras 3D, para criar mais consciência sobre essas tecnologias – usando a Sophia como uma marca para atrair”, explica ela. Com a ajuda do robô Sophia, Dessie espera inspirar a próxima geração de codificadores na Etiópia e na África em geral – particularmente meninas. Perguntou por que isso é tão importante para ela, ela sorri.“Quem pode resolver o problema de uma mulher se ela não puder lhe contar o problema e encontrar sua própria solução?”

Fonte CNN

672 visualizações, 7 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu