Não é apenas o Facebook! Milhares de Empresas estão Espionando Você!

Não é apenas o Facebook! Milhares de Empresas estão Espionando Você!
Milhares de Empresas Estão Espionando Você

Na esteira do escândalo da Cambridge Analytica, artigos de notícias se concentraram no que o Facebook sabe sobre nós. Muito, acontece. Ele coleta dados de nossas postagens, nossos gostos, nossas fotos, coisas que digitamos e excluímos sem postar, e coisas que fazemos enquanto não estamos no Facebook e mesmo quando estamos offline. Ele compra dados sobre nós dos outros. E isso pode inferir ainda mais: nossa orientação sexual, crenças políticas, status de relacionamento, uso de drogas e outros traços de personalidade.

Empresas Espiãs

Mas para cada artigo sobre o comportamento assustador do Facebook, milhares de outras empresas estão respirando de alívio coletivo que é o Facebook e não eles no centro das atenções. Porque enquanto o Facebook é um dos maiores players neste espaço, existem milhares de outras empresas que nos espionam e manipulam para lucrar.

O professor da Harvard Business School, Shoshana Zuboff, chama isso de ” capitalismo de vigilância “. E tão assustador como o Facebook está se tornando, toda a indústria é muito mais assustadora. Ele existe em segredo há tempo demais, e cabe aos legisladores forçar essas empresas a se destacar, onde todos nós podemos decidir se é assim que queremos que a sociedade opere e, se não, o que fazer a respeito. Existem 2.500 a 4.000 corretores de dados nos Estados Unidos cujo negócio é comprar e vender nossos dados pessoais. No ano passado, Equifax foi notícia quando hackers roubaram informações pessoais em 150 milhões de pessoas, incluindo números de segurança social, datas de nascimento, endereços e números de carteira de motorista.

Você certamente não deu permissão para coletar nenhuma dessas informações. A Equifax é um desses milhares de corretores de dados, a maioria dos quais você nunca ouviu falar, vendendo suas informações pessoais sem o seu conhecimento ou consentindo.

A Equifax é um desses milhares de corretoras de dados.

Capitalismo de Vigilância

O capitalismo de vigilância leva isso um passo adiante. Empresas como o Facebook e o Google oferecem serviços gratuitos em troca de seus dados. A vigilância do Google não é notícia, mas é surpreendentemente íntima. Nós nunca mentimos para os nossos motores de busca. Nossos interesses e curiosidades, esperanças e medos, desejos e inclinações sexuais são todos coletados e salvos. Adicione a isso os sites que visitamos que o Google rastreia por meio de sua rede de publicidade, nossas contas do Gmail, nossos movimentos pelo Google Maps e o que ele pode coletar de nossos smartphones.

Não desperdice sua respiração reclamando para a Equifax sobre violação de dados. O telefone é provavelmente o dispositivo de vigilância mais íntimo já inventado. Ele monitora nossa localização continuamente, por isso sabe onde moramos, onde trabalhamos e onde passamos nosso tempo. É a primeira e última coisa que verificamos em um dia, então sabe quando acordamos e quando vamos dormir. Todos nós temos um, por isso sabe com quem dormimos. O Uber usou apenas algumas dessas informações; O seu fornecedor de smartphones e qualquer aplicativo que você permita coletar dados de localização sabem muito mais.

Manipulação Psicológica ou Publicidade?

O capitalismo de vigilância impulsiona grande parte da internet. Está por trás da maioria dos serviços “gratuitos” e muitos dos serviços pagos também. Seu objetivo é a manipulação psicológica, na forma de publicidade personalizada, para persuadi-lo a comprar algo ou fazer algo, como votar em um candidato. E, embora a manipulação individualizada orientada por perfis exposta pela Cambridge Analytica seja abominável, na verdade não é diferente do que toda empresa quer no final. É por isso que todas as suas informações pessoais são coletadas, e é por isso que elas são tão valiosas. As empresas que podem entendê-lo podem usá-lo contra você.

Nada disso é novo. A mídia vem relatando o capitalismo de vigilância há anos.  Em 2010, o Wall Street Journal publicou uma série de dois anos premiada sobre como as pessoas são rastreadas on-line e off-line, intitulada “O que elas sabem”. O capitalismo de vigilância está profundamente enraizado em nossa sociedade cada vez mais informatizada, e se a extensão disso vier à luz, haverá amplas demandas por limites e regulação. Mas como essa indústria pode operar em segredo, apenas ocasionalmente exposta após uma violação de dados ou um relatório investigativo, permanecemos ignorantes quanto ao seu alcance.

E Agora quem Poderá nos Ajudar? Eu as Regulações!

A segurança de praticamente todos os computadores do planeta acaba de ficar muito pior. Isso pode mudar em breve. Em 2016, a União Europeia aprovou o abrangente Regulamento Geral de Proteção de Dados, ou GDPR. Os detalhes da lei são complexos demais para explicar aqui, mas algumas das coisas que ela determina são que os dados pessoais dos cidadãos da UE só podem ser coletados e salvos para “propósitos específicos, explícitos e legítimos”, e somente com o consentimento dos cidadãos. Consentimento não pode ser enterrado nos termos e condições, nem pode ser assumido a menos que o usuário opte. Esta lei entrará em vigor em maio, e as empresas em todo o mundo estão se preparando para a sua aplicação.

Aqui está apenas um exemplo. Em preparação para esta lei, o PayPal silenciosamente publicou uma lista de mais de 600 empresas com as quais pode compartilhar seus dados pessoais. Como será quando toda empresa tiver que publicar esse tipo de informação e explicitamente explicar como está usando seus dados pessoais? Estamos prestes a descobrir.

Na esteira desse escândalo, até mesmo Mark Zuckerberg disse que seu setor provavelmente deveria ser regulamentado, embora certamente não deseje o tipo de regulamentação abrangente que o PIBR está trazendo para a Europa. Ele tem razão. O capitalismo de vigilância operou sem restrições por tempo demais. E os avanços na análise de grandes volumes de dados e na inteligência artificial tornarão as aplicações de amanhã muito mais assustadoras do que as atuais. A regulação é a única resposta.

Por um Mundo Mais Transparente

O primeiro passo para qualquer regulamentação é a transparência. Quem tem nossos dados? É preciso? O que eles estão fazendo com isso? Para quem eles estão vendendo? Como eles estão protegendo isso? Podemos excluí-lo? Não vejo nenhuma esperança do Congresso aprovar uma lei de proteção de dados semelhante à GDPR em breve, mas não é exagero exigir leis que exijam que essas empresas sejam mais transparentes no que estão fazendo.

Uma das respostas ao escândalo Cambridge Analytica é que as pessoas estão excluindo suas contas do Facebook. O mercado pode pressionar essas empresas para reduzir sua espionagem, mas isso só pode ser feito se forçarmos a indústria a sair de suas sombras secretas.

 


Fonte: CNN

464 visualizações, 1 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu