SoFi o Peixe Robótico nos Leva a Uma Descoberta Através dos Oceanos

SoFi o Peixe Robótico nos Leva a Uma Descoberta Através dos Oceanos

Os oceanos  estão passando por dificuldades nos dias de hoje. Além de ser o repositório de milhões de toneladas de resíduos plásticos , o aquecimento global está afetando os oceanos e transtornando os ecossistemas marinhos de formas potencialmente irreversíveis.

O branqueamento de corais , por exemplo, ocorre quando o aquecimento da temperatura da água ou outros fatores de estresse fazem com que os corais se libertem das algas que vivem neles. O coral vai de exuberante e colorido a branco e nu, e às vezes morre completamente. Isso tem um efeito cascata no ecossistema circundante.

Temperaturas de água mais altas também levaram muitas espécies de peixes a se aproximarem dos pólos norte ou sul, interrompendo a pesca e alterando os ambientes submarinos.

Para manter esses problemas sob controle, é crucial que os cientistas monitorem o que está acontecendo na água. Um estudo divulgado na semana passada por uma equipe do Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência da Computação (CSAIL) do MIT revelou uma nova ferramenta para estudar a vida marinha. Um peixe robótico biomimético , chamado SoFi , que pode nadar, observar e interagir com peixes reais.

O SoFi não é o primeiro peixe robótico a atingir a água, mas é o robô mais avançado do gênero. Aqui está o que o diferencia.

Nada em três dimensões

Até agora, a maioria dos peixes robóticos só conseguia nadar para a frente em uma determinada profundidade de água, avançando a uma velocidade constante. SoFi é equipado com barbatanas laterais, que se movem e permitem que ele gire, mergulhe ou encoste na superfície. Sua densidade e, portanto, sua flutuabilidade também pode ser ajustada comprimindo ou descomprimindo o ar em um compartimento interno.

“Até onde sabemos, este é o primeiro peixe robótico que pode nadar sem restrições em três dimensões por longos períodos de tempo”, disse Robert Katzschmann , principal autor do estudo.

 “Estamos entusiasmados com a possibilidade de poder usar um sistema como este para se aproximar da vida marinha. Mais do que os seres humanos conseguiriam por conta própria.”

A equipe levou o SoFi para o Rainbow Reef em Fiji para testar suas habilidades de natação, e o robo fish não desapontou – foi capaz de nadar a profundidades de mais de 50 pés por 40 minutos contínuos. O que o mantém nadando? Uma bateria de polímero de lítio como a que alimenta nossos smartphones.

É controlado remotamente… pelo Super Nintendo

SoFi tem sensores para ajudar a ver o que está ao redor, mas ainda não tem uma mente própria. Em vez disso, ele é controlado por um ser humano, que pode enviar comandos relacionados a velocidade, mergulho e manobras. A melhor parte? Os comandos vêm de um controlador Super Nintendo reaproveitado (e impermeabilizado). O que não é amar?

peixes-natação-obticos-SoFi-close-up-controle remoto
Crédito de imagem: MIT CSAIL

Peixes robóticos anteriores construídos por essa equipe tinham que ser amarrados a um barco. Então o fato de SoFi poder nadar independentemente é um grande negócio. A comunicação entre o peixe e o mergulhador foi mais bem sucedida quando os dois estavam a menos de 10 metros de distância.

Parece real, meio que…

As barbatana laterais do SoFi são um pouco rígidas, e sua câmera pode não passar por natural. Mas por outro lado, parece muito com um peixe real. Isso se deve principalmente à maneira como a cauda se move; um motor bombeia água entre duas câmaras na cauda e, quando uma câmara enche, a cauda curva-se para esse lado, depois para o outro lado, à medida que a água é bombeada para a outra câmara. O resultado é um movimento que imita de perto a maneira como os peixes nadam. Além disso, o sistema hidráulico pode alterar o fluxo de água para obter diferentes movimentos de cauda que permitem que o SoFi nade em velocidades variadas; sua velocidade média é em torno de metade do comprimento do corpo (21,7 centímetros) por segundo.

Além de parecer arrumada, é importante que o SoFi pareça realista. Como resultado, ele pode se misturar à vida marinha e não assustar os peixes de verdade, e observá-los.

“Um robô como esse pode ajudar a explorar o recife mais de perto do que os robôs atuais, porque ele pode se aproximar com mais segurança do recife e ser mais bem aceito pelas espécies marinhas”.Disse Cecilia Laschi, professora de biorrobótica da Sant ‘Anna School of Advanced Studies em Pisa, Itália.

Apenas continue nadando

Parece que esse peixe é nada menos do que um Nemo comum. Mas seus criadores ainda não concluíram o projeto.

Eles gostariam que o SoFi pudesse nadar mais rápido, para que eles trabalhassem na melhoria do sistema de bombas do rôbo e simplificassem seu design de corpo e cauda. Eles também planejam ajustar a câmera do SoFi para ajudar a seguir peixes reais.

“Nós vemos SoFi como um primeiro passo para o desenvolvimento de quase um observatório submarino”. Ele tem o potencial de ser um novo tipo de ferramenta para a exploração oceânica. Certamente abrirá novos caminhos para desvendar os mistérios da vida marinha.” Diretora do CSAIL, Daniela Rus.

A equipe da CSAIL planeja fazer uma escola inteira de SoFis para ajudar os biólogos a aprender mais sobre como a vida marinha está reagindo às mudanças ambientais.

 

Fonte: Singularity Hub

Crédito de imagem: MIT CSAIL

383 visualizações, 3 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu