Bem Vindo a Solarpunk

Bem Vindo a Solarpunk

A ficção científica nos permite imaginar novos futuros. Então por que fazer esses futuros distópicos?

Imagine uma cena, no futuro, onde uma criança em roupas estilo punk está em pé diante de um Yurt alimentado por painéis solares. Não houve muitos livros com cenas como essa em 2014, quando Sarena Ulibarri, uma editora, se interessou por um gênero de ficção científica que imagina um futuro renovável e sustentável. Quatro anos depois, isso é diferente.

Bem-vindo a Solarpunk, um novo gênero dentro da ficção científica que é uma reação contra o pessimismo percebido da ficção científica atual. A ficção espera trazer histórias otimistas sobre o futuro com o objetivo de encorajar as pessoas a mudarem o presente. O primeiro livro que explicitamente identificado como Solarpunk foi: Solarpunk: Histórias ecológicas e fantásticas em um mundo sustentável (Solarpunk: Ecological and Fantastic Stories in a Sustainable World), um livro brasileiro publicado em 2012. Em 2014, o autor Adam Flynn escreveu Solapunk: Notes Toward a Manifesto.

Mas foi em 2017 que este gênero de ficção científica – visto por seus apoiantes como uma luz de otimismo em um mundo de desespero – mostrou sinais de decolagem, montando um conjunto de novas publicações, apoio de editores e crescente interesse dos leitores.

“O SOLARPUNK PRA MIM É UMA REAÇÃO [CONTRA A FICÇÃO CIENTÍFICA DISTÓPICA].” Sarena Ulibarri, editora

crédito: gettyimages

Uma pesquisa no Google Trends mostra que as buscas por “Solarpunk” em Outubro de 2017 foram oito vezes maior em relação a Outubro de 2014. Nos últimos anos, o movimento aumentou principalmente através de histórias curtas, posts do Tumblr e antologias. Mas no ano passado viu a publicação de duas obras principais – Sunvault: Stories of Solarpunk e Eco-Speculation, uma coleção de curtas histórias do Solarpunk por vários autores premiados, e Ecopunk!: Speculative Tales of Radical Futures, uma antologia australiana de contos. E World Weaver Press, Albuquerque, Novo México, editor de ficção científica, fantasia e livros paranormais, onde Ulibarri trabalha, alcançou U$ 4000 através do Kickstarter para traduzir o livro pioneiro de 2012; Solarpunk do português para o inglês.

Solarpunk

“Muita ficção científica é distópica e apocalíptica”, diz Ulibarri. “O Solarpunk para mim é uma reação contra isso; é um desejo de ver um futuro em que eu quero viver e que eu quero fazer parte de fazer.”

O gênero prevê histórias estabelecidas em um futuro que funciona com energia renovável, como a energia solar ou o vento; e onde a discriminação racial ou de gênero é mais limitada do que é hoje. O Solarpunk obtém o seu nome de outros gêneros punk da ficção científica, como o Cyberpunk, onde as histórias giram em torno de uma futura combinação de baixa vida e alta tecnologia, e Steampunk, que casa tecnologia com  Revolução Industrial – Era da Estética. Mas, o Solarpunk combina a ética punk com um futuro otimista e amigável ao clima. Sua estética são painéis solares, moinhos de vento e frondosas sociedades de alta tecnologia. “Steampunk é para o carvão, enquanto o Solarpunk é para as energias renováveis”, diz Flynn.

O desejo do gênero por histórias mais otimistas do futuro também cruza com histórias que não se identificam explicitamente com ele. O livro mais recente de Kim Stanley Robinson, New York 2140, do vencedor do prêmio de Hugo e Nebula, é, de acordo com Ulibarri, “atingindo todos os mesmos botões” como o Solarpunk. Na novela, Nova York foi inundada como resultado das mudanças climáticas. Porém as pessoas ainda vivem lá por causa de energia renovável e tecnologia sustentável.

crédito: gettyimages

Para muitos, o Solarpunk representa uma ignição para o ativismo. “Os grandes programas do século XX começaram como propostas fictícias, desde desembarques lunares até a segurança social”, diz Flynn. “É hora de voltarmos a ambições mais elevadas pelo que podemos fazer como sociedade”. Quando Ulibarri pega um livro, ela está procurando uma fuga que não é tão familiar quanto a distopia. “Talvez seja escapismo, mas isso me dá uma sensação de que as coisas podem melhorar”, diz ela.

Qual o papel da ficção distópica

No entanto, a ficção distópica pode, às vezes, impulsionar os leitores a um futuro de ambição. Alexander Weinstein autor de Children of the New World, uma coleção 2016 de histórias distópicas centradas em novas tecnologias. Quando ele começou a escrever o livro, disse: “fracking era fazer a água da torneira inflamável; os bancos, com a ajuda do nosso governo, roubavam as pessoas de suas casas; o derramamento de óleo da BP estava vomitando o petróleo bruto diariamente para o oceano; as empresas do carvão estavam expulsando Appalachia, e assim por diante.” Weinstein queria refletir sobre esse momento, descrevendo seu trabalho como “um tipo de realismo”. Ele adverte contra o utopismo demasiado; de acordo com ele, “a ficção distópica pode estar ali para falar sobre o realismo da nossa luta atual.”

Para alguns, como o autor Cory Doctorow, escrever sobre um futuro distópico em si não é pessimista. “Acho pessimista escrever sobre um futuro em que as coisas dão errado e não temos esperança de afetá-lo”. Sua novela mais recente, Walaway, está ambientada num mundo fortemente poluído, no qual os ricos estabeleceram uma ditadura de alta tecnologia, mas as pessoas optam por se desconectar da sociedade e criar comunidades auto-governadas. Doctorow o chama de “Romance de Desastre Otimista”.

Os defensores de Solarpunk, como Ulibarri, não gostam de encaixotar o gênero em binários de utópicos e distópicos. Afinal, ela diz, porque o Solarpunk é sobre pessoas, nunca será perfeito, sempre haverá conflito.

E até Weinstein é otimista sobre o Solarpunk. “Quando ouvi falar sobre o Solarpunk, pensei: Sim, aqui está a minha equipe!”, ele exclama.

Ao exibir alternativas, o Solarpunk também pode retornar ficção científica a uma parte do seu papel tradicional, mas às vezes esquecido. “Há uma história da ficção científica que inspira a mudança social”, diz Ulibarri. 

“Pode mostrar o que é possível”.

crédito: gettyimages

Por Tom Cassauwers
Tradução Voicers
Fonte: OZY

Comentários Via Facebook
compartilhe

Leonardo Fernandes

No estilo Observar & Absorver, possui a mente sempre em construção. Um Jedi no design, inspira música & arte. No Voicers é nosso Produtor Multimídia & Creative.
Fechar Menu