Pantera Negra traz o Afrofuturismo para o Mainstream

Pantera Negra traz o Afrofuturismo para o Mainstream

Pantera Negra é um incontestável e importante momento cultural. Um filme que coloca um super-herói negro frente ao centro do Universo Cinematográfico da Marvel. Apresenta um diretor também negro, Ryan Coogler, e um elenco maioritário (Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Angela Bassett, Daniel Kaluuya, Forest Whitaker, Letitia Wright e Winston Duke).

Elenco Pantera Negra

A UCLA lançou um relatório sobre a diversidade nos filmes de maior bilheteria do ano passado, descobrindo que os negros representavam apenas 13,6% desses filmes, ficando sub-representados por um fator de três para um.

No entanto, não somos infligidos com uma ausência tão terrível de personagens POC (People Of Colour). Mas também uma consistência nas visões centradas no Ocidente da África, que em grande parte estereotipam e diminuem seus países e culturas. Pantera Negra, no entanto, não só oferece uma perspectiva Afrocêntrica. Baseia-se também no conceito rico e nas camadas do afrofuturismo, nascido de artistas negros imaginando infinitas possibilidades de novos futuros.

Pantera Negra acompanha T’Challa, o rei de Wakanda. Uma nação africana fictícia cuja descoberta de vibranium ajudou a torná-la a mais tecnologicamente avançada do mundo. Um conceito que se ajusta perfeitamente à prática do Afrofuturismo, embora haja pouco consenso em relação ao seu significado exato ou definição; tão variável, abrangente e, muitas vezes, pessoal, que pode abranger tudo de uma vez. Ideologia feminista (Pantera Negra representa bem isso, incluindo toda unidade de escolta feminina, as Dora Milaje). Misticismo. Cosmologia. Mitologia e Metafísica.

O diretor do filme, Ryan Coogler, em seus próprios termos, vê qualquer forma de rótulo finalmente constrangedor,  especialmente porque a natureza cada vez mais “aberta” da tecnologia significou que mais definições são adotadas. “As pessoas fazem suas próprias definições”.

AFROFUTURISMO

O Afrofuturismo compreende uma estética cultural, filosófica, histórica e científica, que combina elementos de ficção científica, ficção histórica, fantasia, realismo mágico (com cosmologias não-Ocidentais) e afrocentrismo para criticar dilemas diários da população negra, como falta de autonomia, violência policial, violência contra a mulher, solidão, falta de inclusão e de oportunidades, buscando revisar, criticar e reexaminar eventos históricos do passado, como a Diáspora Africana.

O termo foi primeiro cunhado em 1996 pelo crítico, Mark Dery em seu ensaio “Black to the Future”, que examina as obras de ficção científica de escritores afro-americanos como Samuel R. Delany e Octavia Butler, enquanto também questiona por que as vozes negras são em grande parte ausente de um gênero cujos temas são tão frequentemente construídos em torno de ideias de marginalização.

Samuel Delany & Octavia Butler

“Pode uma comunidade cujo passado tenha sido deliberadamente esfregado e cujas energias tenham sido posteriormente consumadas pela busca de traços legíveis de sua história, imagine possíveis futuros?” Dery escreve. “Além disso, não é a propriedade irreal do futuro já detida pelos tecnócratas, futurologistas, fluxatários e grupo de designers – brancos para um homem – quem criou nossas fantasias coletivas?”

No entanto, embora Dery tenha sido o primeiro a reconhecê-lo formalmente, o afrofuturismo parece ter sido bastante difundido no final dos anos 50. Existem vários textos até considerados predecessores do gênero; uma das primeiras novidade da história da “Princesa de Aço” da WEB Du Bois, de 1908, sobre um sociólogo negro que inventa um “megascópio” que pode ver através do tempo e do espaço.

Enquanto isso, acredita-se que o Black No More (1931) de George Schuyler seja o primeiro romance de ficção científica de um afro-americano, que examina as relações raciais contemporâneas através de lente da sátira, pois a história segue um médico negro que inventa um soro que remove todas as pigmentações do corpo, tornando os indivíduos negros a parecer brancos.

Um dos heraldos mais importantes do Afrofuturismo foi Sun Ra. Muitas vezes creditado com a primeira introdução de suas filosofias à música. Nascido Herman Blount, ele contava como, quando na faculdade, experimentava uma visão alucinatória que mudava a vida em que ele era sequestrado da Terra e trazido a Saturno, onde o futuro lhe foi revelado. Com a composição de música vanguarda que uniu o espectro do jazz, misturando a estética da mitologia egípcia e da ficção científica, sua personalidade veio com a afirmação de que ele era realmente um emissário de Saturno na missão de pregar a paz.

Sun Ra

“Eu nunca quis ser parte do planeta Terra, mas sou obrigado a estar aqui, então qualquer coisa que eu faça para este planeta é porque o Criador Mestre do universo está me fazendo fazer isso. Eu sou de outra dimensão. Eu estou neste planeta porque as pessoas precisam de mim”, explicou, como citado em um comunicado de imprensa de 1989 da A&M Records.

Seu álbum de 1973, Space is the Place, deu lugar a um filme com o mesmo nome, que ele co-escreveu e estrelou como ele. O filme vê Sun Ra, depois de aterrar em um novo planeta, decide encontrar uma colônia afro-americana em seu solo, viajando posteriormente por Oakland, califórnia, em um esforço para se espalhar palavras dos seus planos.

Essas mesmas ideias também se refletiram no trabalho de George Clinton e seu coletivo, Parliament-Funkadelic, forjando uma visão eclética sobre o funk que englobava a psicodélia e a ficção científica, como melhor demonstrado pelo álbum do parlamento de 1975, Mothership Connection, e o único do mesmo nome. A música apresenta o alter ego alienígena messianic de Clinton, Star Child, que declara: “Retornamos para reivindicar as pirâmides”.

Parliament-Funkadelic

Mais recentemente, Janelle Monae, trouxe vibrações cibernéticas para a série de conceito Metrópolis, que inclui o álbum The ArchAndroid.

Houve também um toque de Afrofuturismo na apresentação da Beyoncé no Grammy do ano passado e em várias peças de sua iconografia da era Lemonade, como referências ao panteão das deusas iorubas, incluindo Oshun e Yemoja. Na verdade, dizem que a cantora pediu ao artista Awol Erizku que produziu a série fotográfica que anunciava a sua segunda gravidez, intitulada: I Have Three Hearts. O trabalho de Erizku é distintamente afrofuturista em seu tom, combinando a mitologia africana e a iconografia do Renascimento para imaginar um futuro em que os indivíduos negros possam reconciliar livremente sua herança africana e a cultura ocidental.

Certamente, os quadrinhos do Pantera Negra Têm seu próprio papel a desempenhar no desenvolvimento do Afrofuturismo. Embora o personagem se origine dos criadores brancos, Stan Lee e Jack Kirby, a série começou a se envolver completamente nos conceitos afrofuturistas nas mãos de escritores negros: Ta-Nehisi Coates escreveu o enredo de 2015, Uma Nação Debaixo dos Nossos Pés, que integrou temas feministas distintos, enquanto notado Afrofuturista, Nnedi Okorafor é atualmente o escritor de Pantera Negra: Vida Longa ao Rei, que encontra Wakanda assediada por um monstro que destrói tudo em seu caminho.

Wakanda Futurista | Quadrinhos

Embora o Pantera Negra de Coogler se baseie diretamente em temas políticos, o Afrofuturismo nunca se limitou a confiar em nenhuma tarefa definitiva. A ficção científica pode ter uma linda história de seguir certas ansiedades, medos e construções sociais para um senso de conclusão natural, para manter um espelho para o nosso mundo atual. Também pode ser usado como uma plataforma para explorar cada canto de uma imaginação não confinada.

Na estética, podemos ver sublinhado no corpus da obra de Jack Kirby no Pantera Negra (imagem abaixo), encontramos os seguintes elementos:

  • Referências ao misticismo, primitivo e a mitologia africana;
  • Roupas sobrepostas, alongadas e com várias camadas;
  • Elementos com mood Sci-Fi;
  • Cabelos descoloridos;
  • Metais/Specchio;
Quadrinho Pantera Negra por Jack Kirby

Como o autor Ytasha Womack escreve no Afrofuturismo: O Mundo da Ficção Científica Negra e a Cultura da Fantasia: “A auto-expressão no Afrofuturismo não é sobre fazer uma declaração, é sobre ser”.

Enquanto movimento artístico, compreende as mais variadas mídias, indo de livros e quadrinhos à música; arte moderna; moda; intervenções artísticas e espirituais; fotografia; cinema e grafites. Toda forma de arte é possível para o Afrofuturismo. Alguns dos máximos expoentes são:
Quadrinhos:Pantera Negra, Blade, Luke Cage, Miles Morales, Concrete Park, Dominque Laveau, Martha Washington e Sustah-Girl.

Pantera Negra  pode ser o primeiro golpe de Hollywood

O filme do Pantera Negra anuncia mais do que apenas um super-herói negro.  Ele traz consigo um movimento raramente visto nos meios de comunicação de massa. De fato, Pantera Negra e sua terra natal de Wakanda podem ser o primeiro golpe de Hollywood para o Afrofuturismo.  Desafiando o público a ver um elenco de personagens africanos que não são definidos pelo crime e subserviência, mas sim pelo orgulho e pela excelência. Nada mais, mostra o potencial da Marvel para se destacar na vanguarda da mudança e da inovação.

???? @bosslogic | Instagram

POR TRAZ DAS CENAS DO AFROFUTURISMO DE PANTERA NEGRA

Em Pantera Negra, o futuro é feminino. Claro, o herói titular é um homem, rei T’Challa, mas seus guarda-costas, conselheiros e chefe de tecnologia são mulheres. O mesmo acontece com a equipe atrás da câmera. O design do cenário do filme – a nação africana fictícia de Wakanda – vem principalmente da designer de produção, Hannah Beachler (Moonlight e Lemonade de Beyoncé) e a figurinista Ruth Carter (Amistad e Selma).
Hannah Beachler (Moonlight e Lemonade de Beyoncé) e a figurinista Ruth Carter (Amistad e Selma)
“O desafio foi imaginar como algo futurista parece na África”, diz Beachler. “O que os africanos teriam feito reinar sobre sua própria cultura, sem terem sido colonizados? Como suas culturas se misturaram?”
A resposta é um futuro que Tony Stark nunca poderia ter sonhado.
???? Marco Grob

Super Traje

A fonte de riqueza de Wakanda é o raro (ficcional) metal Vibranium, que dá tanto poder às armas quanto às roupas. Na imagem acima é possível ver o brilho prateado revelador no traje de T’Challa, com detalhes mais sutis. Há um pequeno padrão de pirâmide do Mali, que em close-up, é possível ver a conexão do traje com a África.
???? Marvel Studios 2018

Idioma

As pessoas de Wakanda falam principalmente em inglês, mas também há uma língua nativa. Baseado nela Beachler, desenvolveu um conjunto de personagens baseado em pictogramas nigerianas dos quatro e cinco séculos. Os personagens aparecem em sinais de rua, artes de batalha e nas paredes do tribunal de T’Challa.

Transporte

Golden City, o coração de Wakanda, tem duas formas principais de trânsito público: o bonde de Steptown e um hyperloop. Ambos, diz Beachler, foram destinados a cumprir as visões das pessoas dos trens do futuro. Desde que o diretor Ryan Coogler cresceu em Oakland, Califórnia, o sistema BART foi uma influência. Claro, com a ajuda do vibranium, os carros são consideravelmente mais eficientes.
???? Marco Grob

Wearables

Um dos principais objetivos de Coogler com Pantera Negra, foi garantir que toda a tecnologia tenha várias funções. Por exemplo, os coláres de Kimoyo são usadas como jóias, mas também como dispositivos de comunicação e medicinal. “Uma grande questão que me interessava explorar foi o que faz algo africano”, diz Coogler. “Para nós, dissemos: Vamos torná-lo humano, vamos torná-lo tátil.”
???? Marvel Studios 2018

Poder Aéreo

Existem 3 aeronaves principais em Wakanda: Talon Fighters, que são como jatos de combate; Dragon Flyers, helicópteros biometricamente projetados que se parecem com libélulas; e o Royal Talon Fighter, a versão de T’Challa da Air Force One. “Avista superior do Talon Real é inspirada por uma máscara africana, e o interior é luxuoso”, diz Beachler. “É tecnológico, mas não é sua aeronave habitual”.

Arquitetura

Os brilhantes arranha-céus de vidro da Cidade de Ouro têm raízes na arquitetura africana – como os topos rodável de cabanas de palha tradicionais. A cidade também tem um distrito chamado Steptown, onde os hipsters usam roupas com uma sensação afro-punk.
???? Marco Grob

Guerreiros

As Dora Milaje, guardas pessoais de T’Challa, são parte do Serviço Secreto e seus equipamentos tem que ser real e amigáveis ao combate. Anéis no pescoço protegem as guerreiras e significam posição social. Enquanto a armadura do corpo são como talismãs familiares que as Dora podem passar para suas filhas. Baseado no bordado de pérolas da tribo Maasai do leste africano.
???? Marco Grob

Armas

A melhor tecnologia em Wakanda é o trabalho de uma mulher. A irmã mais nova de T’Challa, Shuri (Letitia Wright), chefe do Wakandan Design Group. Ela é como Tony Stark ou Elon Musk. Suas luvas usam o poder do vibranium para lançar ondas de som concussivas, mas sua criação mais interessante são as lâminas de anel de alta tecnologia, utilizadas pela Nakia (Lupita Nyong’o).

Caso se interessa sobre o Afrofuturismo:

Afrofuturismo – AntiCast 209
Afrofuturist Literature – Afrofuturism.net
Afrofuturism in Comics – San Diego State University Library
Afrofuturismo e Wakanda – Momentum Saga
WOMACK, YtashaL. Afrofuturism: The World of Black Sci-fi and Fantasy Culture. Lawrence Hills Books. 2013. Chicago. 213 páginas.


Fontes: Independent Uk | Wired

Comentários Via Facebook
compartilhe

Leonardo Fernandes

No estilo Observar & Absorver, possui a mente sempre em construção. Um Jedi no design, inspira música & arte. No Voicers é nosso Produtor Multimídia & Creative.
Fechar Menu