Tecnologia | Sexo | E o Futuro

Tecnologia | Sexo | E o Futuro

Quão Complexas são as Relações Humanas?

Você já ouviu falar em digissexualidade? Falar de sexo é falar de um dos impulsos humanos mais poderosos. É falar de um desejo que ocupa uma parcela significativa de tempo no pensamentos de bilhões de pessoas. Como decorrência desse apetite intenso, as mais diversas orientações sexuais surgiram ao longo dos anos.

Homossexualidade, bissexualidade, pomossexualidade, pansexualidade, ginossexualidade, androssexualidade, sapiossexualidade, demissexualidade e skoliossexualidade são apenas algumas das orientações sexuais existentes nos tempos atuais, que dão o tom de quão complexas são as relações humanas.

Digissexualidade

Contudo, segundo especialistas, estamos prestes a presenciar o surgimento de um novo tipo de orientação sexual: a digissexualidade. À medida que as chamadas “tecnologias sexuais” avançam, sua adoção crescerá e muitas pessoas virão a se identificar como digissexuais. Mas o que significa “digissexualidade”?

De acordo com o professor de filosofia Neil McArthur, da Universidade de Manitoba (Canadá), pessoas digissexuais são aquelas cujo apetite sexual é predominantemente satisfeito pelo mundo virtual. Em síntese, são pessoas cuja identidade sexual primária decorre da utilização da tecnologia.

digissexualidade 01
Para McArthur, estamos vivendo a era do sexo virtual imersivo (Crédito: Moral Lust)

Usamos o termo ‘digissexuais’ para descrever pessoas que, principalmente como resultado dessas novas tecnologias mais intensas e imersivas (…) Não necessariamente sentem a necessidade de se envolver com um parceiro humano.E que definem sua identidade sexual em termos do uso dessas tecnologias. – Neil McArthur

Segundo McArthur, já estamos vivendo a era do sexo virtual imersivo e, a partir de agora, as “tecnologias sexuais” se tornarão parte integrante da identidade sexual de muitas pessoas. Para ele, as novas tecnologias servirão, para muitas pessoas, como uma alternativa viável aos companheiros sexuais humanos.

Digissexualidade nos cinemas

Embora pouco familiar, o conceito de digissexualidade vem sendo explorado pela indústria do cinema, em filmes como Ela (2013) e Blade Runner 2049 (2017). Em ambos, os protagonistas (Joaquin Phoenix e Ryan Gosling, respectivamente) desenvolvem laços sexuais-afetivos com inteligências artificiais.

digissexualidade 02
O conceito de digissexualidade foi exposto no filme Blade Runner 2049 (Crédito: Warner Bros)

Na mesma linha, o filme A Garota Ideal (2007), também estrelado por Ryan Gosling, conta a história de um jovem que estabelece um relacionamento não convencional com uma boneca sexual encontrada na Internet. Para Neil McArthur, os três filmes compreendem esse novo tipo de sexualidade:

[Os filmes são] os três melhores exemplos da cultura pop, porque todos eles retratam relacionamentos digissexuais de uma forma bastante complexa, e de maneira simpática. – Neil McArthur

Por outro lado, a digissexualidade também tem suas representações mais obscuras. Na série Westworld (2016), por exemplo, vemos uma versão mais distópica do conceito, na qual os anfitriões robóticos são projetados exclusivamente para atender às necessidades e desejos (sexuais) dos visitantes.

Um futuro digissexual?

McArthur pretende conduzir um estudo mais amplo sobre os digissexuais, com o objetivo de entender seus comportamentos, desvelar mitos e enfrentar alguns dos estigmas envolvendo o novo tipo de sexualidade. Como o fenômeno é bastante novo, há um risco de que a amostra de pesquisa seja reduzida.

O pesquisador reconhece também que as discussões relacionadas à digissexualidade são complexas. O tema envolve debater aspectos éticos e psicológicos de desenvolver relacionamentos sexuais com robôs, bonecas sexuais e inteligências artificiais; bem como discutir os riscos do mal funcionamentos da tecnologia.

Embora reconheça que muitas pessoas serão digissexuais no futuro, McArthur não vislumbra que esse novo tipo de orientação sexual prevalecerá. Para ele, a digissexualidade tomará o seu lugar ao lado de outras identidades sexuais não convencionais, e a sociedade prosseguirá normalmente em direção ao futuro.

Haverá muitos digissexuais no futuro próximo, mas vai ficar tudo bem. – Neil McArthur

 


Fonte: Futuro Exponencial

267 visualizações, 2 

Comentários Via Facebook
compartilhe

Solange Luz

Ela é a construção de todos que conheceu e de tudo que viveu, especialista em sonhar acordada e falar consigo mesma. No Voicers é a CCC (Content, Creator & Curator), carinhosamente conhecida como Queen of Words.
Fechar Menu